Páginas

29 de out de 2009

Qual a importância do agronegócio?

Me liga o cara da assessoria da Andef (não sabe o que é? Joga no Google, bem!), a quem eu tinha procurado duas semanas atrás:

- Marla? Tudo bem? Estamos fazendo uma pesquisa para entender como os formadores de opinião (eu????? rsrsrs) vêem o agronegócio, de modo a melhorarmos nossos próprios trabalhos. Você pode responder algumas perguntas agora?

- Posso, mas você não prefere falar com meu editor? Ou com alguém que realmente entenda de agronegócio? Eu só to no ramo há três meses.

- Não, o seu perfil também é importante em nossa pesquisa. Você pode responder?

- Posso.

- Como você vê o agronegócio?

Pausa.... que pergunta estranha! Nunca tinha pensado nisso antes!

- Não sei, nunca tinha pensado nisso antes. Mas pelo menos pra região onde eu estou, a agricultura é muito importante, principalmente porque Jataí é o maior produtor de grãos do estado de Goiás. É um negócio que movimenta muito dinheiro e provavelmente é o responsável por pelo menos 90% da receita deste município.

- Sim... (pausa pra anotação). Qual o panorama do agronegócio? Para o futuro, o que você imagina?

- Imagino um monte de produtor que não ouviu os especialistas e plantou mais do que deveria. Quando forem colher essa safra, a oferta vai ser muito maior do que a procura e os preços vão ter despencado. Sorte de quem conseguir pagar os custos da produção. Essa é uma safra histórica pros Estados Unidos e ninguém ouviu as entidades que cuidam desses produtores. Não vejo boas perspectivas.

- E quando você pensa em agricultura, qual é a primeira coisa que lhe vem à cabeça?

Pausa... Meu Deus! cabeça... alguma coisa à cabeça, por favor!

- Ué, sei lá! Imagino uma coisa completamente diferente do que acontece hoje. Fico revoltada ao ver que toda essa produção de bilhões de toneladas é exportada para China e Europa para virar ração ao invés de ser usada em benefício humano. Bilhões de pessoas morrendo de fome e tudo o que esses grandes produtores pensam é lucrar. Agricultura não deveria ser sinônimo de subsistência humana?

- Nossa, que interessante você dizer isso. (pausa para anotar) ... E os defensivos agrícolas? Como você os vê? São importantes?

- Com certeza são. Para os produtores não perderem suas plantações. No entanto, a gente come um monte de legumes, verduras e frutas achando que ta cuidando da saúde quando, na verdade, estamos nos entupindo de excesso de resíduos de agrotóxicos. Quão mal isso vai nos fazer daqui 20, 30 anos? Teremos câncer? Não se sabe. E o produtor não está preocupado com isso. E a indústria de defensivos agrícolas deveria se preocupar mais em ensinar seus clientes a aplicar corretamente seus produtos, porque fazendo de qualquer jeito eles vão acabar nos matando. 

- Puxa! Tem certeza que você só tem 3 meses de experiência com agronegócio?

- Absoluta. Nunca tinha nem lido a esse respeito antes.

- Muito maduras suas opiniões.

Do outro lado da linha, estufo o peito - mas ele não vê...

- Muito obrigada!

- É isso. Muito obrigado por seu tempo e disposição.

- De nada. Tchau, boa tarde!

---------------------------------------------

Tá, fiquei orgulhosa da parte do "muito maduras suas opiniões", afinal, sou só uma iniciante nesse mundo estranho e milionário do agronegócio. E vocês? Já pensaram a respeito do agronegócio?

14 de out de 2009

Questão Tostines

Os crimes se repetem por que o jornal publica ou o jornal publica por que os crimes se repetem?

Pra quem não entendeu nada, esclareço. Tenho certeza de que, em algum momento da faculdade, discutismos essa questão em um debate alvoroçado das aulas de ética ou direito da comunicação, no entanto, não me recordo se chegamos a alguma conclusão. Penso que não.

Quando foi descoberto aquele caso do alemão que prendeu e abusou da própria filha por sabe-se lá quantos anos, todos ficaram chocados e acreditaram que nenhum ser humano poderia ser mais animal do que ele. No entanto, algum tempo se passou e outro caso foi revelado, desta vez na Califórnia (EUA). Dezoito anos sob o cárcere privado de um "religioso" fanático.

Isto sempre aconteceu, alguns dizem, "mas só agora é que os casos vieram à tona". É preciso divulgar esse tipo de crime, por que os pais precisam preparar seus filhos para o mundo lá fora, precisam saber dos males dos quais devem proteger seus filhos. Tá, tá. Acho que é importante, sim.

Porém, hoje vi uma notícia na Folha que me deixou encucada. De acordo com a reportagem, "um homem de 31 anos foi preso na terça-feira (13) por suspeita de manter uma jovem de 19 anos em cárcere privado por 40 dias na cidade de Montes Claros (MG)". Será que o infeliz teve a fantástica ideia de "roubar" uma adolescente para abusar dela OU ele apenas reproduziu um crime que pareceu "perfeito" a um primeiro olhar?

Fico imaginando se os noticiários não deram uma forcinha para que o psicopata agisse... E vocês? Já se pegaram pensando nisso? O que seria melhor? Fingir que isso não acontece e deixar de publicar ou continuar publicando e sofrer com a dúvida de estar encorajando criminosos? A resposta é com vocês, nos comentários!

9 de out de 2009

Marla, a vidente pessimista

Como alguns de meus companheiros de trabalho ficaram revoltados com meus comentários acerca do Rio 2016, deixo-vos com a reportagem de ontem do Jornal da Globo, que diz e-xa-ta-men-te o que eu falei sobre a estrutura caótica do Rio de Janeiro. Nem todo mundo me respeita como jornalista, mas a maioria de vocês respeita o Jornal da Globo, né?


E pra quem não sabe... Eu sou ótima pra dizer se uma coisa vai dar certo ou não. E espero muuuuuuito estar enganada, mas essas Olimpíadas... sei não.

Reportagem dos nossos coleguinhas de profissão do JG: http://g1.globo.com/jornaldaglobo/0,,MUL1335135-16021,00-MAIS+UM+DIA+DE+CAOS+NO+TRANSPORTE+PUBLICO+CARIOCA.html

p.s.: Nay, "bão dimaiss" você aparecendo por aqui! Bjokas pro casal!

7 de out de 2009

Sem vandalismos, por favor!

01- O que vai ganhar o MST destruindo pés de laranja, tratores, equipamentos e instalações das casas de fazendas?

02- O que vão ganhar os cariocas depredando trens, estações e cabines?

03- O que vão ganhar os turcos se revoltando contra agências de bancos e lojas comerciais?

-------- Respondo ---------


01- Tiros.
02- Impostos mais caros para pagar o conserto do bem "público" que eles inutilizaram.
03- Bombas de efeito moral, tiros de borracha.


-------- Resumindo ---------

01- O MST vai continuar sem terra.
02- Os trens e estações vão continuar sucateados.
03- O FMI e o BIRD vão continuar negociando medidas que não dizem respeito à base da população, "se cagando" para a taxa de desemprego.

-------- Então ----------

Que diferença fez...

... derrubar pés de laranja e destruir equipamentos e instalações de uma fazenda?
... sucatear mais os já sucateados trens, estações e cabines?
... quebrar e queimar agências bancárias e estabelecimentos comerciais?

--------- Logo ----------

O anarquismo e o movimento "revolucionário" não vão mudar o mundo. Vocês querem protestar? Sejam pacíficos. Vocês querem chamar a atenção? Queimem e quebrem suas próprias casas, carros e lojas. Vocês querem que os políticos sejam decentes? Votem melhor na próxima eleição.

3 de out de 2009

Over!

Quem me segue no twitter sabe que eu não suporto mais ouvir falar em gripe suína ou em Rio 2016. E tenho certeza que vocês também não suportam mais. E é isso que me faz pensar por que os jornalistas continuamos a falar destes dois assuntos incessantemente. Pensei, pensei e pensei e não cheguei a conclusão alguma. Melhor, imaginei que se eu fosse a editora de algum veículo faria meu protesto "pessoal" evitando tocar - mais - nesses temas.

Vá lá que quando as pessoas sabem de um surto de doença elas acabam se prevenindo mais e tal. Mas daí a dedicar duas páginas ou mais de 5 min (no caso da tv) aos casos de morte por gripe suína é um tanto de - se não demasiado - exagero. E daí que noticiar cada morte singular por vírus H1N1 já está bem demodé. Aposto que todo mundo passa a fazer como eu: ignorar a informação.



O mesmo está acontecendo agora com a tal escolha do Rio de Janeiro como sede para Jogos Olímpicos de 2016.  O que tinha de ser noticiado, já foi. Já sabemos  onde vai rolar a próxima Olimpíada. Chega de notícia velha! Achei um absurdo - mesmo! - dedicar o Jornal Hoje inteiro à cobertura do anúncio. Para mim bastava  a nota ao fim do jornal ou num plantão (com aquela música que dá medo) na hora em que fosse confirmada a cidade. E o povo chorando... por quê, gente? Será que eu sou tão insensível assim??

Tudo bem que isso seja importante para o país e para a economia da cidade e para a "representação da América Latina" (na boa, acho que o Lula ta pouco se fud*** pra isso), mas será que ninguém pensou nos "contras" dessa escolha? Acho que devia começar, inclusive, por aquelas milhares de pessoas que estavam em Copacabana na hora do anúncio.

Sejamos sinceros: quem já morou no Rio sabe perfeitamente que a cidade não tem condições de atender com qualidade a toda essa multidão de gente que vai chegar. O trânsito já é caótico por si só. O transporte urbano é um lixo e absurdamente demorado (pra se ter uma ideia, leva-se mais de hora pra percorrer 10 ou 15km). E eu nem estou contabilizando o metrô e o trem. 

Quantos bilhões de reais serão desviados em nome de uma estrutura que não será mais utilizada, como aconteceu com um estádio construído perto da Mangueira (não lembro o nome ao certo) na época do Pan? O negócio virou um mausoléu e quanto dinheiro foi gasto lá? Milhões, certamente.

Podem me chamar de pessimista e tal, mas quando penso no caos... Tenho pena dos moradores do Rio. Mesmo. Mas se rolar um trampo por lá nesta época, por que não? Contraditória? Não. Oportunista, como a própria situação.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...